Rinoplastia estruturada: 7 respostas sobre essa técnica moderna

O nariz fica bem no centro da face e, por isso, precisa estar em plena harmonia com as demais estruturas do rosto. A falta desta sintonia pode resultar em incômodo, que pode ser tão intenso ao ponto de levar à decisão de enfrentar uma cirurgia plástica estética, chamada de Rinoplastia, em busca de correções.

As cirurgias mais antigas focavam na aparência e davam pouca importância à funcionalidade. O conceito de somente reduzir o tamanho do nariz, com o tempo, se tornou obsoleto. Até que na década de 80, os Estados Unidos começaram a desenvolver a Rinoplastia Estruturada, direcionada a uma mudança física somada ao fortalecimento da região nasal.

Quer saber mais sobre Rinoplastia Estruturada? O otorrinolaringologista, Dr. Jessé Lima, responde as 7 principais perguntas referentes ao assunto.

Pergunta 1: Que técnica é essa?

Hoje, é considerada a mais moderna por promover as mudanças na aparência e na parte funcional. A inovação permite manipular as partes óssea e cartilaginosa sem que haja um enfraquecimento do suporte das principais estruturas que compõem o nariz: pele, osso e cartilagem.

Não raro, após uma primeira Rinoplastia convencional pode haver deformações na modelagem por vários motivos. Entre eles: peso excessivo da pele, fibroses (aumento das fibras de um tecido durante a cicatrização) e envelhecimento (processo que pode levar à flacidez).

Na Rinoplastia Estruturada, essas alterações são bem menos frequentes porque o profissional faz um reforço no suporte e “instala vigas”, que garantem maior sustentação das estruturas existentes na região (já citadas acima).

Pergunta 2: Qual é a diferença dela para a Rinoplastia convencional?

Uma das principais é com relação ao enxerto e aos pontos de fixação, visto que, na estruturada, se retira material do corpo do paciente, mais frequentemente cartilagens do próprio nariz e, se necessário, das orelhas e costelas para reforçar e restaurar a sustentação. Com isso, consegue-se melhor resistência de toda a estrutura nasal.

O resultado é um nariz bonito, simétrico e harmônico em relação às demais partes do rosto e com a função primordial preservada, a de garantir a livre passagem do ar. Observa-se também que esse processo mais detalhado leva a resultados mais naturais e eficazes, por um período bem mais longo.

Pergunta 3: Qualquer pessoa com vontade de mexer no nariz pode fazer?

Não. O simples desejo de fazer a cirurgia não é o único aspecto a ser considerado. Durante a consulta, o médico ouve as queixas do paciente e as expectativas que tem com relação ao procedimento. Além disso, o profissional faz uma avaliação da face para constatar se a vontade se justifica e se os anseios podem ser alcançados com esse tipo de procedimento.

Nariz muito desproporcional ao restante do rosto ou com desvio extremo e a perda de sustentação das válvulas, sejam elas internas ou externas, são casos em que não há dúvidas da necessidade da Rinoplastia Estruturada.

No entanto, há casos em que a pessoa relata, no consultório, sonhar com o tamanho e o formato de um nariz de uma determinada celebridade, o que nem sempre é possível pelo fato de as características próprias não serem compatíveis com a mudança.

Pergunta 4: Como é o pré-operatório?

É semelhante ao que precede outras operações. Há necessidade de exames de laboratório e, a depender do perfil do paciente, de avaliação cardiológica e de outros complementares que forem necessários para garantir maior segurança.
Pergunta 5: Precisa de internação?
Sim. Trata-se de um procedimento cirúrgico. Exige internação em hospital que tenha uma boa estrutura. A anestesia usada pode ser local ou geral e a duração da cirurgia, geralmente, é de 3 a 6 horas, dependendo da complexidade do caso.

Pergunta 6: Quando é possível ver os resultados?

Isso varia de paciente para paciente, mas, em geral, logo após a retirada do curativo, entre sete e 14 dias, já se veem as mudanças. Após um a três meses, é possível ver uma grande redução do edema e já perceber os resultados, porém o formato final pode levar até um ano.
É importante deixar claro que o sucesso depende também dos cuidados no pós-cirúrgico, período em que se faz necessário o repouso de pelo menos 15 dias de afastamento do trabalho e outras atividades diárias.
É fundamental também seguir as orientações relacionadas à higiene da região e à troca de curativos. Nos primeiros dias, pode haver um incômodo e um pouco de dor a serem aliviados com a prescrição de analgésicos.
É importantíssimo retornar ao médico, na data marcada, para que ele possa acompanhar o processo de recuperação, inclusive, esclarecer o paciente sobre possíveis dúvidas e receios que apareçam.

Pergunta 7: Como escolher o médico para fazer a cirurgia?

Por ser um procedimento cirúrgico, pesquise um médico devidamente capacitado para realizá-lo. O profissional deve ser um profundo conhecedor da anatomia da face e da técnica adotada, com experiência e habilidade.

Conheça o Dr. Jessé Lima

O Dr. Jessé Teixeira de Lima Júnior formou-se pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (USP). Ele tem especialização e Residência Médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Ribeirão Preto (USP). No currículo, consta ainda o título de especialista, pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervicofacial, e doutorado na área de Rinologia, pela Universidade de São Paulo (USP). Há mais de 10 anos dedica-se à Rinoplastia (estética e funcional).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Menu